Ideologia na Educação - Ideologia da Educação

segunda-feira, 22 de setembro de 2008 |




Apelação. Não há outra palavra para a matéria da revista Veja. Ao contrário do que muitos colegas pensam, coloco aqui o link para que o leitor possa analisar o texto e tirar suas próprias conclusões, já que defendo acima de tudo a formação crítica e não a doutrinação política ou ideológica.
http://veja.abril.com.br/200808/p_076.shtml

Ao contrário da Revista, coloco o debate democrático, onde realmente acredito que muitas afirmativas "pseudo-esquerdistas" possam surgir, no calor das discussões ou nos trabalhos dos professores. Cansei de discordar de muitos professores em vários pontos. E é exatamente este o objetivo de uma Educação Libertadora, que o professor lhe dê a oportunidade de ter sua própria opinião. E não apenas a MESMA opinião que querem que ele tenha!

A História de hoje não é mais a mesma. Não há historiador neutro, porque não há ninguém, nem mesmo um robô (ele sofrerá influência das idéias de seu programador) que não carregue consigo os traços e influências de seu aprendizado ao longo da vida, de sua bagagem cultural.

O aluno deve saber que a máquina só não irá provocar desemprego quando o País que utiliza esta máquina, possui TECNOLOGIA para fabricá-la. Caso contrário, se ela faz o trabalho de 5 homens, matematicamente são mais 5 desempregados, que receberam uma educação alienante, que não o preparou para este progresso: Seu patrão IMPORTOU a máquina e simplesmente o coloca na rua.
Mas, ele deve saber que se o patrão comprar a máquina numa fábrica brasileira, que desenvolve projetos com tecnologia nacional, que gera muitos empregos na fábrica, ele poderá encaminhar seus empregados para um curso de manutenção ou seus filhos, poderão aprender a tecnologia para desenvolver novos projetos para novas máquinas.

Por exemplo: qual a função de um coletivo com entrada pela frente, com roleta ali?
A única que encontro é diminuir a quantidade de empregados e sobrecarregar o motorista - que tem que cumprir horário, estar atento ao trânsito e ainda me dar o troco correto - para obter MAIOR LUCRO

Se cada usuário exigisse que nestes ônibus a passagem fosse mais barata?
Isso é ideologia de esquerda??? É socialismo? É comunismo???
Não: é simplesmente questionar, discordar do que o sistema nos impõe sem consulta prévia!!


DESRESPEITO: Sem palavras para julgar a falta de respeito em relação á memória de Paulo Freire...lamentável, muito lamentável.

Aliás, encontro esta IndigNação.

4 comentários:

Suzana Gutierrez disse...

Pois é, Jenny...

E qual o problema em ser de esquerda, ser socialista? Paulo Freire era e é nossa referência em muitas coisas.

O problema da máquina que substitui empregados em vez de gerar tempo livre para estes é porque esta máquina (seja importada ou fabricada aqui) é usada dentro da lógica do Capital.

Foi muito legal teres trazido esta crítica para a rede dos blogs de professores.

abração!

Robson Freire disse...

Olá Jenny

Nos que lutamos contra a ditadura militar, que lutamos pelas diretas, que elegemos o Lula e que amamos Paulo Freire estamo assim como você: INDIGNADOS.

Sou de esquerda sim, sou radical sim, eu sou doutrinador sim, sou Paulo Freire sim, sou a favor das revoluções pela base, a favor de uma reforma agrária ampla e de uma EDUCAÇÃO com alma e ideologia.

Se meus alunos saírem da escola com a metade dos meus princípios, de minha ética e de meu profissionalismo o Brasil será um pais maravilhoso de se viver.

Gostaria de lembrar que sempre estudando em escolas públicas , me formei numa maiores universidades do pais (UFRJ), tive o prazer de ter aulas maravilhosas que igualmente a mim hoje são doutrinadores.

Sempre todo processo de melhoria (industrial, tecnologia, social, etc) trouxe alguns "inconvenientes" e o principal de todos eles foi o desemprego.

Olhar a situação sobre outro ângulo nos permite como você cita no texto "a máquina só não irá provocar desemprego quando o País que utiliza esta máquina, possui TECNOLOGIA para fabricá-la. Caso contrário, se ela faz o trabalho de 5 homens, matematicamente são mais 5 desempregados, que receberam uma educação alienante, que não o preparou para este progresso".

Sempre coloquei que a maior revolução que um pais pode fazer é através da educação, mas não uma educação qualquer é sim uma educação realmente cidadã, inclusiva e altamente critica.

Somente um pais com pessoas educadas dentro desse padrão e que teremos o pais que merecemos.

Parabéns pela postagem e por levantar essa bola.

Abraços

Sérgio F. Lima disse...

Opa Jenny!

Assino em baixo dos colegas acima! Temos mais é que decnunciar o "panfleto Veja" mesmo!

abraços

Jenny Horta disse...

Não me denomino de esquerda, nem centro, nem direita. Se ser de esquerda é pensar como Paulo Freire, eu sou. Mas sou contra a rotulação ideológica, de qualquer parte. Esse discurso parece muito com os do início dos anos 60 e sabemos muito bem onde foi dar!!!