Mais Amigos!!! Este é meu site do Mês

terça-feira, 30 de setembro de 2008 |

Das descobertas da rede deste mês que termina, sem dúvida a de melhor astral (o blog está precisando, né, depois de tanta coisa indigna...) foi o site AMA - nome adequadíssimo para Amigos do Meio Ambiente - e a Liliana sem dúvida, ama o que faz! Posso dizer isso, mesmo só conhecendo o site, que tem excelentes artigos que podem e devem ser fonte de trabalhos com os alunos.

Confira por este que publico aqui.

Cadeia Produtiva Insustentável

Por Liliana Peixinho*
Que escolas, agências de publicidade, empresas e perfis de consumidores realmente estão colocando em prática atitudes de mudança no consumo em nome da preservação da vida? Visito faculdades, empresas e instituições que têm projetos ditos “sustentáveis”, mas que não passam das idéias. Dê-se o cuidado de parar nos corredores onde ficam os coletores de resíduos, por exemplo, e se olhar, com cuidado, verás que o plástico está no vidro, o vidro no alumínio, o alumínio no orgânico e por ai vai. Visite um supermercado, uma casa de material de construção civil ou uma loja de eletrodomésticos e terás o termômetro exato do quê continua sendo oferecido para atender às demandas de um modelo de consumo incentivado pela publicidade, ainda comprometida com o capital do século XX. O discurso continua distante da prática.
Mais do que entender os efeitos negativos provocados pelo Aquecimento Global e as grandes catástrofes verificadas nos últimos anos, está faltando ao Ser Humano entender, interiorizar, absorver, no coração, alma e cérebro, que a felicidade em Ser pode estar na busca do encontro com o outro. E que para isso é necessário caminhar nessa direção, enfrentar obstáculos, abrir mão de comportamentos egoístas, imediatistas, superficiais e meramente repetitivos, convencionais, para transgredir, subverter e quebrar regras milenares em nome da dinâmica natural das leis do Universo, com renovação, invenção, criatividade, compromisso e prazer em fazer.
Quando a didática de escolas públicas, particulares e comunitárias, passar a ter compromisso com a informação como instrumento de poder para a transformação, e não como subsídios estatísticos de não evasão ou aprovação de alunos para atender justificativas de recursos alocados em rubricas do Governo, poderemos estar no começo das mudanças que a Humanidade necessita para ir ao encontro de si mesma. Por enquanto continuamos registrando a lamentação de pais que se esforçam, se escravizam e se sacrificam, para tentar educar filhos, na formalidade convencional, onde investimentos feitos não apresentam retornos qualitativos no sonho de qualquer pai ou mãe: ver seu filho ou filha no caminho de estar a serviço de construções coletivas harmoniosas com o Universo, servindo ao outro.
Como uma filha poderá deixar de querer ter 100 pares de sapatos se a mãe compra um a cada novo mês?. Como um aluno poderá deixar de lanchar sanduíche de salsicha com coca-cola se a escola não tem uma cantina com alternativas alimentares ? Como uma faculdade poderá realmente propagar que tem um projeto ambiental que prega a sustentabilidade se os seus coletores seletivos ainda de plásticos, convencionais, não coletam seletivamente, como informa a plotagem? E mais que isso, se a própria instituição faz de conta que ensina para um aluno que também faz de conta que aprende? Como pode uma secretária do lar aprender a não desperdiçar alimentos se a própria dona da casa, na mesa familiar, enche o prato de comida e não come nem metade do que se serve? E como poderemos substituir o petróleo por energias alternativas se ainda vamos às lojas de 1,99 alimentar a paradoxal cultura chinesa que transita entre a conservação de tradições milenares, como o uso dos chás, e o crescimento rápido no uso de tecnologias
de ponta para a produção de descartáveis?


Enquanto existirem ONGs, Institutos, Associações, Oscips e Fundações que precisem gastar, às pressas, rodos de dinheiro recebidos do Governo brasileiro ou de fora do Brasil, fazendo qualquer coisa para apresentarem seus relatórios técnicos de visibilidade duvidosa, convênios, contratos e acordos de parceria estarão sendo renovados a longo prazo, já que a burocracia é a grande inimiga da justiça social, perseguida, a sangue e suor, por quem verdadeiramente faz e não aparece na mídia.

Liliana Peixinho – DRT 1.430 - Jornalista, Ativista e Educadora Ambiental- Fundadora dos Movimentos Independentes AMA e RAMA.

www.amigodomeioambiente.com.br
falandonalata.
wordpress.com


10 comentários:

Sérgio F. Lima disse...

Opa Jenny!

Comentário fora do tópico!

Passei aqui só para te parabenizar pelo comentário lá no telescópio!

Sensato, qualificado e muito oportuno!

Fiquei até arrepiado no final dele! Sério!

bjs

EAD disse...

Muito bom o texto, verdadeiro. Uma pergunta: pq clico noselo contra o racismo e entra um site diferente?

Lilian disse...

Gostei, Jenny, falta gente que escreva com sinceridade!
abços

Maryana's Blog disse...

Retribuindo a visitinha e aproveitando para ver as novidades. Está um show até a música é de arrasar.rsss..... parabéns pelo seu lindo trabalho.bjos.

Profª Thaiza disse...

Olá Jenny!
Muitíssimo interessante as palavras da Liliana, e ei de concordar! Fala-se muito dos problemas, mas age-se muito pouco!
"a burocracia é a grande inimiga da justiça social, perseguida, a sangue e suor, por quem verdadeiramente faz e não aparece na mídia."
Acredito que não preciso falar mais nada...
[]'s amiga!
E parabéns pela sinceridade neste post.

Jenny Horta disse...

É gente, na verdade todos nós precisamos repensar nossos hábitos. Muitas vezes, julgamos que certas coisas são imprescindíveis e percebemos que, no fundo, são simplesmente dispensáveis...
e ajudará muito agredir menos o meio ambiente!
Em relação ás instituições e empresas então...nem se fala.

Cybele Meyer disse...

Olá querida Jenny,

Adorei o texto. Eu inclusive disponibilizei um vídeo no meu blog falando sobre esse assunto e enfocando principalmente o consumismo desenfreado que é alimentado diariamente por todos os veículos de comunicação.
Consumir virou sinônimo de SER.

Também quero lhe dizer que indiquei seu blog para o Prêmio Sem Fronteiras - ele retrata bem a essência do prêmio. Passe lá para pegar, ok!

beijinhos e ótimo domingo

Jenny Horta disse...

Oi Cybele!! Puxa, que alegria receber uma indicação sua. Obrigada messssmo!

Tati Martins disse...

Oi, Jenny!
Passei aqui para lhe dar "um alô" e agradecer a sua presença sempre marcante em meu blog. Continuo trabalhando para merecer os seus comentários.
Beijinhos,
Tati

P.S.: Como você dá conta de tantos blogs?!

Levina disse...

Oi Jenny!
Importante seu comentário sobre o consumismo.No jornal assisti ótimas entrevistas de pessoas dando alertas de saber gastar...conscientizando as pessoas sobre as consequências que pode nos causar. As propagandas, ornamentações...faz o consumidor comprar se necessitar, apenas para ser conforme comentário de Cybelle.
...e no Natal é tempo de consumismo, não é mesmo?
Abraços!!!